sexta-feira, 29 de março de 2013

Teresa Guilherme não gosta do Pai do Cláudio (Entrevista completa)

Posted By: Polémica dos Realitys - 19:27:00

Partilha



Muita coisa mudou desde que aceitou o convite de José Eduardo Moniz para conduzir o primeiro ‘Big Brother’ português. Agora, a apresentadora prepara-se para fazer regressar o formato à TVI, mas fecha-se numa autêntica “casa dos segredos” no que toca a pormenores. Treze anos depois, e com a promessa de um programa adaptado aos tempos modernos, há uma coisa que não muda: a frontalidade de Teresa Guilherme.

Tenho de começar esta entrevista por lhe perguntar se ainda frequenta o mesmo cabeleireiro onde, há 13 anos, estava a pentear-se quando aceitou o convite de José Eduardo Moniz para apresentar o primeiro Big Brother.

[risos] É o mesmo cabeleireiro, mas não é no mesmo espaço. Ele abriu o seu próprio salão e eu fui atrás dele.

Passou-lhe pela cabeça, nessa altura, que 13 anos depois estaria prestes a conduzir a sétima edição do reality show?
Eu nem sou de programar 13 dias, quanto mais 13 anos [risos]. Achei que ia apresentar uma edição e até andei a dizer que não queria mais nenhuma. Naquela altura, era muito mais de seguir os meus princípios do que agora e, por hábito, detestava repetir séries. Como produtora, tudo bem, mas como apresentadora não gostava.

Mas fê-lo com o concurso da SIC Não Se Esqueça da Escova de Dentes, em 1995.
Porque foram edições feitas de seguida. Parar para voltar ao mesmo formato era uma coisa que me fazia confusão. Portanto, na altura em que fiz o primeiro Big Brother disse à Endemol e à TVI que era primeira edição e pronto. Mas depois o José Eduardo quis logo outra.

Então aceitou por ser de seguida?
Continuei a dizer que nem pensar, que não fazia mais nenhum. Ainda me lembro de estar a conversar com o Piet-Hein [Bakker], que na altura era diretor da Endemol, e estar sempre a dizer que não apresentava o programa, mas ninguém acreditava em mim. Acreditaram só no último dia. E o motivo por que aceitei a apresentação daquela segunda edição e depois de todas as outras foi porque seria uma grande maldade da minha parte terem-me dado tanta hipótese para eu fazer o programa à minha maneira, terem-me dado carta-branca para lhe dar o meu cunho, que não estaria certo dizer que não queria mais. Acabei por, entre outras derivações, fazer quatro Big Brother de anónimos e dois de famosos.

E um Big Brother VIP, passados dez anos de uma última edição, faz sentido porquê?
A Casa dos Segredos é um formato que funcionou muito bem, tal como o Desafio Final. Estes são spin off, são pequenos derivados do formato original do Big Brother que acontecem no mundo inteiro. Em países como Espanha o programa está no ar há imensos anos, sempre com a mesma apresentadora. O que quero dizer com isto é que ficou sempre no ar que o programa iria voltar. A opção foi regressar com um formato francês, que é a Casa dos Segredos. O que se tentou agora foi fazer um revival puro… bem, não tão puro como isso, porque é VIP, mas com o espírito original.

Com este regresso, a TVI não quis antecipar-se à SIC, que mostrou interesse no reality show Mundos Opostos [que junta concorrentes anónimos e famosos para dividir no jogo, em épocas diferentes, entre a Pré-História e o futuro, mas separados por um vidro]?
Eu sei que a SIC mostrou esse interesse. Agora, ele não tem nenhum ponto em comum com o Big Brother. Não tem nada que ver.



Uma das particularidades desta edição é parecer ter uma relação íntima com o número 13, de que a Teresa tanto gosta.
Tem? Ainda não pensei nisso. Mas gosto muito do número 13.

Repare: estreia-se 13 anos depois da primeira edição e estamos no ano 2013. Para fazer o pleno, só falta ser disputado por 13 concorrentes…
Não posso dizer quantos é que são.

O que pode dizer sobre o programa?
Nada [risos]. Olhe, não sei de quanto é o prémio. Posso dizer que começa em abril, em que dia também não sei, e que a casa está a ficar muito gira.

Será um reaproveitamento do mesmo espaço da Casa dos Segredos?
Pelo menos as canalizações acho que sim [risos]. Estou a brincar. Agora a sério, só posso dizer que é outra vez na Venda do Pinheiro. Claro que as estruturas foram aproveitadas, especialmente porque é ali que está instalado todo o sistema de vigilância.

E o estúdio, o décor, vai ser igual ao original?
Não. Eu queria, porque sou revivalista, mas não vai acontecer. A Lurdes [Guerreiro, responsável máxima da produtora Endemol] disse-me logo que nem pensar, que o antigo é muito pobrezinho. Eu gostava tanto… Enfim, e depois há de haver um outro à terça-feira.

Então é à terça-feira que vão acontecer as nomeações… E as galas continuam a ser aos domingos?
[silêncio] Bem… as nomeações podem ser à terça-feira, à quarta-feira…



Vamos continuar a ter duas emissões semanais em direto?
É por aí…

E vão ser três meses de programa?
Isso era o que vocês queriam saber! Posso dizer que é uma pergunta com múltiplas respostas. Só há uma pessoa que sabe isso e não sou eu.

Teresa tem de saber qualquer coisa. Não assinou um contrato?
O contrato que se faz com os apresentadores inclui mais um mês, menos um mês de programa. O que diz é que o vínculo acaba quando o programa acabar. É isto.

Uma das novas regras de que se tem falado passa por colocar famosos a viver como se fossem pobres, sem condições, e que fazem provas para ganhar um lugar no grupo dos ricos.
Lá está: isso é uma rica coisa que vocês queriam saber [risos].
Já li algures numa revista que na versão inglesa do Big Brother existe comida de cão a cair em cima das pessoas. Isso não vai acontecer. Os ingleses têm por tradição, já de há 13 anos a esta data, ter uma edição com famosos no início do ano, que dura cerca de dez dias, além da versão com anónimos lá mais para setembro. É uma tradição, mas não é copiável. Andam todos a ver demasiado a versão britânica.



Por falar em famosos, a Teresa disse na entrevista que deu à NTV em setembro passado, a propósito da estreia da Casa dos Segredos, que este género de programas é um escape para pessoas com problemas familiares. Passa-se o mesmo com caras conhecidas?
Isso é porque os anónimos são sempre pessoas muito novas e querem sempre fugir às suas vidas, ao facto de, por vezes, não terem emprego, o que hoje em dia é muito comum, e à monotonia.

O que lhe pergunto é se acontece o mesmo com os VIP e, se não acontece, o que é que os faz entrar no programa?
Claramente que o encaram como se fosse uma extensão do seu trabalho. A visibilidade é importante para alguns deles. São pessoas conhecidas, portanto, quanto mais aparecerem mais conhecidas ficam. Isso é um ponto assente para mim.

O prémio final não os alicia?
Se nem eu sei qual é o prémio, eles também não sabem.
Há pelo menos um cachê semanal, se bem que neste caso, e apesar de estar dividido em escalões, chamemos-lhe assim, até é substancialmente inferior ao de outras edições.

Quem é que lhe disse isso?
Isso é uma rica coisa que a Teresa queria saber [risos].
[gargalhada] Mas olhe que não é verdade.



Não?
Não. O acordo que existe entre a Endemol e a TVI é um acordo inteligente. Não quer dizer que haja mais ou menos dinheiro. Este não é um Big Brother dos pobrezinhos. Eu nem sei quanto é que os outros ganhavam. Sei que estava dividido em escalões, como já disse, o que para mim é natural. Não faria muito sentido que o Vítor Norte, por exemplo, ganhasse o mesmo que uma pessoa menos conhecida como a Nicole. Mas continuo a dizer: não sei.

O que quer dizer com acordo inteligente?
Não vou falar sobre isso.

“Os famosos são mais protegidos do que os anónimos”
A Sara Norte, filha do Vítor, é um dos nomes apontados para fazer parte do lote de concorrentes doBig Brother VIP.
Porquê?

Acredito que seria pelas audiências, mas só lhe estou a pedir uma confirmação.
Este não é um programa de escândalos. O que acho extraordinário é ter-se escrito que fui eu que lancei esse e outros nomes, o que é ridículo. Vou ser franca: há uma série de nomes em cima da mesa e há convites que estão a ser feitos. Mas falta juntar toda a gente e a TVI terá a palavra final. Para já, há apenas vontades.

O facto de conhecer pessoalmente alguns dos concorrentes não dificulta o seu trabalho enquanto apresentadora?
Da outra vez achei que sim, mas depois não aconteceu nada. E era amiga do Vítor Norte, da Rita Ribeiro, da Lena d’Água, da Cinha [Jardim], e não senti nenhuma diferença em relação aos que não conhecia pessoalmente. Achei que poderia ter influência em mim.

De poder falar de algo que seja do seu conhecimento, mas não do conhecimento público?
Isso tanto faz eu conhecer como não. Há muita gente que não conheço e sei coisas sobre a vida pessoal, pelo menos o que é público. Outras pessoas que conheço de casa não falo sobre elas.

Preferia que fossem anónimos?
Preferia, porque é muito mais divertido. Tem pessoas mais novas, que eu não conheço.



Se um amigo seu lhe pedisse conselho para entrar na casa, o que lhe diria?
Sobre o que era ideal fazer lá dentro da casa?

Se haveria de entrar ou não.
Depende das pessoas, do estado em que está a sua carreira. Primeiro, iria querer saber se eles teriam compromissos profissionais agendados e se seria viável desmarcá-los. Depois, em termos de comportamento no interior da casa, a única coisa que poderia dizer é que os famosos são mais protegidos do que os anónimos em termos de intimidade. Não tem que ver com o serem conhecidos, mas com o facto de serem faixas etárias diferentes. Claro que, como há uma piscina, se as pessoas quiseram andar de biquíni isso é lá com elas. Eu lembro-me de que houve uma das senhoras de uma das edições com famosos, acho que foi a Rita Ribeiro, que levou uma espécie de uma capa para vestir, que há muitos anos se usava para trocar de roupa na praia. Era uma espécie de barraquinha andante, e ela assim estava à vontade para mudar de roupa.

Na Casa dos Segredos, a Teresa foi alvo de várias críticas através do Facebook, acusando-a de mostrar as suas preferências. Sabendo nós que a Teresa não se importa com o que os outros dizem, em que é que essas críticas influenciam o seu trabalho?
Essa história das preferências é uma grande treta. Quem faz isso só consegue piorar o programa. Quando o Nuno foi ao confessionário pela primeira vez, disseram logo que ele era o meu favorito. O que é que aconteceu? A TVI achou por bem que ele não fosse ao confessionário durante cinco semanas. Boa? E eu não tinha preferência nenhuma pelo Nuno, não o conhecia de lado nenhum. As pessoas é que tinham preferência por ele, não era eu. A minha única preferência ali dentro, e que ficou clara, foi a Sandra. Mas aí eu disse. Ela era engraçada e achei que saiu prematuramente. As pessoas inventam preferências e inventam ódios.

Foi isso que a levou a deixar de ir ver a sua página no Facebook.
Foi, porque achei que entre o grupo de pessoas que dão a sua opinião, havia ali um bando de gente organizado para inventar as coisas mais extraordinárias. Imagino os pobres dos familiares dos jovens a lerem aquelas coisas. Depois, as revistas adoram estas coisas, tanto que continuam a publicar histórias da Casa dos Segredos, e são responsáveis pelo que publicam, mesmo que seja mentira ou apenas uma suposição. Dar opinião sobre o programa, tudo bem, mas inventar algo é muito feio.

A terceira edição da Casa foi pior do que as anteriores nesse sentido?
Foi, pensar como é que era possível alguém acreditar em algumas histórias. Foi uma teoria da conspiração que me deixou espantada e que não aconteceu na Casa dos Segredos 2 nem na primeira. Foi uma onda negativa terrível que espero não aconteça desta vez.

Tendo em conta que é um Big Brother com famosos, e que até conhece alguns, vai continuar a mostrar as suas preferências?
As pessoas têm de perceber que quando assumo preferências é dentro do programa. Porque é que eu gostava da Sandra? Porque era um bom confessionário, o que nunca ninguém entendeu. O mesmo se passa com a Fanny. Eu gosto imenso dela por ela ser uma excelente concorrente. Numa casa, quando ela está, tudo gira em torno dela. Pode não se gostar do feitio dela, do facto de ela dizer palavrões, mas eu gosto por ela ser boa no confessionário e quando está em casa. É uma pessoa que existe, que não fica ali no canto à espera das horas para ir para a cama. É preciso dar opinião e ela dá.

Acha que Sandra deveria ter ganho o prémio final?
É-me indiferente quem ganha. O que quero é manter o programa interessante, acho que a Sandra devia ter ficado mais duas ou três semanas. A minha perspetiva é que é um programa diário e tem de ser interessante, divertido e polémico todos os dias.

Por falar em polémicas e por falar em Fanny, gostava de que Fernando [pai de Fanny] entrasse no Big Brother VIP?
Amava. Gosto imenso dele e há que séculos que não o vejo.
Também gostava de lá ver Jorge Fernandes, o pai do Cláudio da Casa dos Segredos 3?
Não, não, não… Eu adoro o Fernando, o pai do Cláudio nem por isso. O Fernando é uma pessoa com uma história… na verdade é como a filha: não manda dizer. É carismático.
Pessoas que não acrescentem nada à vida da casa. Não tem graça nenhuma.

Pedro Miguel Ramos esteve consigo em todas as outras edições e, de acordo com o que é público, até este momento ainda não foi convidado. Faz sentido ficar de fora?
Eu adoraria ter o Pedro outra vez. Ele tinha uma função prática, que era ir buscar os concorrentes à casa. Agora depende se o formato é igual ou não. De qualquer forma, duvido que o chamem. Não que seja caro ou barato, mas a TVI tem outros apresentadores.

Poderá não ser o Pedro e ser antes um profissional da casa?
Não sei… eu adorava que fosse o Pedro.

Sem Pedro Miguel Ramos, e depois de ter tido a companhia da Voz da Casa dos Segredos, vai sentir-se mais sozinha?
Não [risos]. Os concorrentes é que se vão sentir. A Voz é um elemento muito engraçado da Casa dos Segredos e deve ser utilizado apenas nesse formato.

“Agora chama-se BBV ['Big Brother VIP']. Isto é o quê? Um banco?”
Pedro Lopes, argumentista da novela da SIC Dancin’Days, foi um dos guionistas do primeiro Big Brother
(Interrompe e dá uma gargalhada) Ai foram portugueses que escreveram o remake do Dancin’Days? Isso é que é uma piada. Portanto, é aquele que passou do brasileiro para português. Está correto.
Além disso, está a escrever a próxima novela do canal de Carnaxide, Ambição.
(volta a interromper) Deus queira que lhe corra bem. Não o conheço. No Big Brother havia dois guionistas principais, dos quais me lembro muito bem, e depois havia imensos pequenitos. Como ele, deveriam estar lá 40 iguais. É um garoto?

Calculo que tenha os seus trinta e tal anos [Pedro Lopes tem 36].
Então, na altura devia estar lá como estagiário.

Acha que ter passado pela escrita de um reality show o ajudou a dar largas à criatividade e a construir uma história para a SIC que “arrumou” com a ficção da TVI?
(gargalhada) Claro que não. Acho que o facto de ele ter ido para o Big Brother é sinal de que tem alguma criatividade. Ser guionista de um reality show não é inventar nada. É apenas escolher momentos do que se passa em 24 horas de forma a facilitar a vida à edição do programa. Eles nem inventam provas, apenas ajudam a fazer os compactos diários do que se passa ao longo de um dia inteiro. Não inventam até porque o formato era a novela da vida real.

Continua a ser?
Por minha vontade, sim. Por vontade da TVI não faço a menor ideia.

Mas a Teresa é que manda no programa [risos].
Não mando nada [risos]. Se eu mandasse nem se chamava VIP, portanto… Chamava-se famosos, como sempre se chamou. Foi uma decisão do canal.
VIP ou famosos, na prática, vai dar ao mesmo.
Vai, mas eu sou saudosista. E achava engraçado porque era BBF [Big Brother Famosos]. Agora chama-se BBV [Big Brother VIP]. Isto é o quê? Um banco? Concordo que tenha de se dar um toque de modernidade, mas eu não tenho uma palavra a dizer sobre isso junto da TVI, não são decisões minhas. Posso dizer que gostava muito de ter a música antiga, mas também pode não ser. Em Espanha já não é. Estou farta de meter cunhas a ver se metem a mesma música [risos], mas só decido sobre o meu trabalho. Pedem-me opinião, que é muito simpático, mas não passa disso. As pessoas acham que tenho mais poder do que na realidade tenho. O Big Brother é um programa da Endemol comprado pela TVI. As cabeças são das duas empresas, que me ouvem e me dão apoio.


Mas tem sempre uma palavra a dizer.
Que é sempre a última, não é a primeira. Eu não sou nem a produtora nem a compradora, portanto, não faria sentido ser de outra forma. Em relação aos concorrentes, ao número de semanas… ainda ontem [segunda-feira] perguntei à Lurdes [Guerreiro] se o programa se iria chamar Famosos ou qualquer outra coisa. E ela responde-me: “Ó Teresa, está no ar Big Brother VIP, não viu?” Na verdade, não têm de me perguntar nada. Se eu tivesse dito que queria muito que fosse Famosos, eles iam argumentar comigo e eu ia perceber, ou então diziam-me que nem se tinham lembrado.

“Não há espaço para muitas mais produtoras”
Falou já de Piet-Hein Bakker, cuja produtora, a CBV, encerrou recentemente as suas portas. A crise no mundo audiovisual é uma situação que a preocupa?
O que me preocupa é produtores à grande ficarem sem trabalho. O Piet-Hein nunca foi produtor. Ele abriu uma produtora. Sobre a produtora do Piet-Hein já disse o que tinha a dizer no Momento da Verdade e não quero voltar a falar sobre isso. Tenho muita pena, espero que ele arranje trabalho, que esteja muito bem na vida e que a família dele também esteja muito bem. Isso sim. Que ele é um brilhante diretor de uma empresa, também digo sim. E que era ótimo a escolher casting, também digo que sim. Mas o Piet-Hein não é um produtor, não foi ele a produzir nem o Big Brother nem os outros formatos.


O que lhe perguntava era se, enquanto produtora, a situação que a CBV viveu, ou que a Valentim de Carvalho vive, não tendo dinheiro para pagar a colaboradores externos e internos, é uma preocupação.
O que acho é que há imensas pequenas produtoras que não têm dinheiro para sobreviver. O mercado está dividido entre estas e duas maiores, a Endemol e a Fremantle, além das trutas grandes da ficção. Já a Eyeworks, onde estão imensas pessoas que trabalharam comigo, está a safar–se bem e espero que assim continue. E não há espaço para muitas mais. Mas antigamente também era assim: Havia a Valentim de Carvalho e a minha. Daquilo que me têm dito é que agora há muitas mais pequenas produtoras, que, se não funcionarem, têm mais é de acabar. Não é que não tenham a quem vender, é porque funcionam mal. As que funcionam bem vão-se manter, as que funcionam mal vão acabar. É assim que funciona.

Já no que diz respeito à RTP, continua a pensar o contrário?
Desde o primeiro dia que não acredito que vá acontecer qualquer coisa de negativo com a RTP. Esta é uma estação que continua a ser o que era. Fizeram cortes em algumas coisas, meterem programas novos. É uma estação que está a dar muito trabalho a muita gente e que vai continuar a fazer o seu caminho.

Durante esse percurso, a RTP tem tido momentos em que exalta mais os portugueses, como é o caso da recente contratação de José Sócrates para fazer comentário político.


Ele sempre foi um grande comunicador… Para ser sincera, gostava de o ver. Eu adorava vê-lo a comentar a merda que ele fez. Adorava. Acho que é uma coisa genial ter passado tão pouco tempo depois de ele ter largado a bomba que todos os portugueses têm em mãos – e não foi o único, houve mais antes dele – e ele ter a coragem de vir para a televisão comentar o que os outros estão a fazer. Acho genial. Poderia ser um programa de humor [risos].



Leia a versão integral na edição em papel da Notícias TV

0 comentários:

Enviar um comentário


Deixe aqui a sua opinião com moderação. Aguarde a aprovação!
Os comentários com conteúdo ofensivo serão removidos.

© 2017 Polémica dos Realitys

Designed by Templateism/ Polémica dos Realitys